sexta-feira, 17 de junho de 2011

Parque Municipal Américo Renné Gianneti, o pulmão de Belo Horizonte

(imagem da internet)


Folga na cozinha. O dia amanheceu lindo, céu de brigadeiro, pouco vento, menos frio. Saímos, meu marido, meu filho e eu, sem lenço e sem documento, como já cantou Caetano Emanuel Telles de Veloso. Fomos fazer uma caminhada no Parque Muncipal Américo Renné Gianneti. Para quem não sabe, fica no centro comercial de Belo Horizonte, um lugar barulhento, poluído, cansativo. Entra-se no parque e a impressão é de que se atravessou um portal para outra dimensão.

Há alguns meses, uma mulher, caminhando por lá, morreu atingida por uma árvore que caiu devido a infestação por broca. Fecharam o parque por cerca de dois meses e fizeram uma 'requalificação', como é moda dizer agora quando a prefeitura do município resolve recuperar e/ou remodelar um logradouro público. Fizeram um levantamento das árvores infestadas por pragas e que punham em risco a vida das pessoas, podaram, refizeram jardins, dragaram os lagos, trouxeram mais animais, tipo garças, marrecos e peixes. Terminado o serviço, reabriram o local para a população e hoje fomos lá conferir.

É um prazer visitar o nosso Parque Municipal depois dessa requalificação. Já era antes, mas com todo esse cuidado, parece ainda mais bonito e agradável. Pudemos perceber que os troncos das árvores podadas - espécies centenárias, lindas, frondosas! - foram trabalhados e utilizados para fazer bancos rústicos. Dentro do parque temos o Teatro Francisco Nunes, uma construção cheia de curvas orgânicas, projeto da construtora encarregada de planejar a cidade há 113 anos, e cujas paredes externas são cobertas com mosaicos, reproduzindo pequenos animais que podiam ser encontrados por lá à época em que o parque surgiu. Foi tudo lavado, recuperado e ficou uma beleza. Há também um orquidário com algumas espécies raras de nossa flora, ao lado de uma escola pública municipal profissionalizante que contempla alunos de baixa renda, tudo tão integrado com a natureza que não interfere. Uma ala do parque é dedicada ao lazer infantil e nos fins de semana a criançada, pelo preço irrisório de R$1,50, pode se divertir nos brinquedos mecânicos, ou brincar nos escorregadores, labirintos, gangorras e balanços sem pagar nada. Concertos da Orquestra da Fundação Clóvis Salgado - gratuitos! - acontecem por ali uma vez por mês, aos domingos. Nos gramados, pessoas descansam, lêem os jornais do dia, ou um livro, alimentam as carpas, ou dão voltas de pedalinho, atravessam pontes de madeira para visitar as ilhotas e coretos, ou, ainda, se reunem nos vários recantos com os amigos para um carteado, ou simplesmente 'jogar conversa fora'.

Os sabiás, que não são bobos, buscaram refúgio por lá e mansinhos, felizes, cantam, encantam e colorem as alamedas por onde se caminha.

Houve um tempo em que o lugar era refúgio de traficantes e usuários de drogas, além de menores infratores, e nos dias de semana chegava a ser perigoso transitar por ali. Com a criação da Guarda Municipal em 2003, hoje o parque é bem fiscalizado e garante a segurança dos visitantes.

Foi um passeio e tanto e recomendo o lugar para quem mora no centro da cidade e gosta de caminhar. Vamos voltar com mais frequência para usufruir do privilégio de respirar ar puro no nosso pulmãozinho municipal em pleno centro da cidade. Valeu!

6 comentários:

Carla Fernanda disse...

Quando a mulher morreu atingida pela árvore estávamos aí em BH. No Hotel Sol, na rua de Bahia.
Íamos no Mercado Central todos os dias comer aquela empada deliciosa.
Beijos querida!!
Carla

Carla Fernanda disse...

Ângela a gente roda em torno do Sol e ele de nós...kkk
Beijos e linda tarde!!
Beijos,
Carla

Regina Rozenbaum disse...

Ah amaaada e pq não estendeu o passeio um tiquim e veio me ver??? Tenho ido aos domingos quando tem concerto...Se não foi ainda,programe-se...vale a pena!
Beijuuss, Angelinha, n.a.

Cristina disse...

Ângela
Que gostoso passear assim em um parque, contato com a natureza é tão bom. Desejo à você uma ótima semana e reze por mim pois vou fazer a cirurgia do pé de novo. Te aviso o dia tá? Um abraço!

Carla Fernanda disse...

Amiga imagino que show!!!
Adorooooo!
Reria té filmado um pedacinho...kkk
Beijinhos,
Carla

Kimbanda disse...

Querida amiga ANGELa

O meu acesso à net não tem sido com regularidade habitual, mas quando venho aqui é como gosto.
No postagem anterior fiquei deliciado
com aqueles "olhinhos" e mais fiquei sabendo.
Quanto ao parque que deu origem a este texto escorreito e que trás boas noticias, é bom saber que quando não estão no sitio, têm esse pulmão maravilhoso e um lugar agradável para caminhar e encher o olho de coisas bonitas em boa companhia.
Agradado com o que contas, quem dera um dia poder vir a visitá-lo e poder dizer... Estou aqui! E quem sabe nos encontrar-mo-nos.

Aficionado por fotografia e filme, teria aí, muito por onde me entreter.

Deixo um beijo e meu kandando amigo, que chegará intacto a esse lado do Atlântico e até às Gerais desse Mundo lindo.
Inté...