terça-feira, 20 de novembro de 2012

Assim e assado

colesterol Como reduzir o colesterol
(imagem do google)
Ri muito outro dia: uma amiga querida, que nunca presenciara antes uma limpeza de sua caixa de gordura - era sempre sua auxiliar quem antes cuidava disso - quase caiu para trás quando viu, depois de um só aninho da última limpeza, os tijolos(!) endurecidos de gordura que o profissional retirou de lá. Segundo ela, lembrou-se imediatamente de mim: 'bem que a  Angela vive batendo na tecla de que somos o que comemos e pensamos'! Com certeza se preocupava com as placas lipídicas que também vão se calcificando nas paredes de nosso aparelho circulatório, podendo - quase sempre! - trazer os AVCs, os infartos e outras mazelas da vida, decorrentes da incontinência alimentar.
Vou divagar um pouco sobre isso. A maior parte do tempo estamos pensando. Difícil parar de fazê-lo. Razão porque tanta gente tem dificuldade de praticar meditação, que consiste exatamente em esvaziar a mente. Pois então: quando pensamos em comida, geralmente imaginamos aquelas coisinhas deliciosas, calóricas, gordurosas, cheias de trans e saturadas para dar crocância, exageradas no sódio, que é um conservante potente e aumenta o tempo de vida do alimento. O problema está em que esta imagem irresistível apaga qualquer tentativa do nosso cérebro de escolher pela razão e evitar os tais veneninhos, os quais, todos sabemos muito bem, definitivamente não nos convêm. E aí, tome linguicinha mandioca e batatinhas fritas, que são mesmo muuuuuito gostosas.
Se somos o que comemos e pensamos - não necessariamente nessa ordem - o quê fazer? Desculpem-me, mas o jeito são escolhas conscientes. Conversava com meu marido hoje sobre atividade física e alimentação. Ele corre durante uma hora três vezes por semana, ritualisticamente. Eu não consigo a mesma proeza: já fiz radioterapia da mama, o que reduziu bastante a capacidade do meu pulmão direito. Sequelas das mazelas... Faço o que posso cuidando da minha alimentação. Podemos dizer com orgulho que já faz um longo tempo que aqui não se comem frituras. Orgulho sim! É difícil resistir... No entanto, com o passar dos anos, o mau hábito vai-se, o organismo agradece e o corpo aprende a retirar energia de outras fontes que não a gordura - o que é o ideal, pois mantem-se o peso sob controle e um corpinho bacana.   
Vão objetar: mas então como comer? Eu, por exemplo, adoro assados. Asso praticamente tudo: banana, batata, peixe, carne e demais preparos, como tortas, bolos, doces e por aí vai. Também cozinho muito: tomates bem cozidos - lembram-se que sou descendente de italianos? -, com tempero no ponto combinam bem com quase tudo. E aí vão objetar novamente: mas verdura cozida é muito sem graça...  Não concordo. Acho que o modo de preparar os cozidos, abusando das ervas, do alho-poró, da cebola, do alho, faz qualquer coisa ficar saborosa - até jiló e berinjela. Vez por outra, pode-se gratinar o cozido com mussarela de búfala e ervinhas por cima. 
Cozinhar não precisa ser algo complicado e, necessariamente, indigesto. Esqueci de levar arroz para o sítio no último feriado. E daí? Cozinhei batatas cortadas em cubinhos al dente, depois saborizei um pouco de azeite com uma quantidade generosa de alho, alho-poró e uvas-passas, joguei as batatas na panela, mexendo levemente. Ficou um espetáculo! Comemos com um cozido de carne e farofa de farinha de milho.  Delicioso e, melhor, leve e saudável. Simples assim.
Sugiro que minha amiga e as pessoas em geral repensem seus valores alimentares. Nem sempre o mais sedutor é o melhor para a saúde. É preferível alimentar-se bem no dia a dia  para, em ocasiões especiais, comer de tudo sem culpa e sem medo.
Bon apétit et... santé! Beijo.

6 comentários:

Sonia disse...

É isso, Angela, aos poucos as pessoas estão se concientizando da necessidade de mudar hábitos alimentares e de vida em geral.
Abraço!
Sonia

Cancer de Mama Mulher de Peito disse...

Uma boa alimentação não é nenhum sacrifício, como vc bem o demonstra.
São pequenas mudanças para um grande ganho.
Assisti o filme/documentário "Muito Além do Peso" sobre obesidade infantil.
O negocio está feio uma verdadeira Pandemia.
Todo alerta é pouco.
Bjs.
Wilma
www.cancerdemamamulherdepeito@blogspot.com

Regina Rozenbaum disse...

Essa amiga querida tá sempre aprendendo...aliás as dicas domésticas já foram providenciadas tanto quanto a prática, ou pelo menos a consciência diária, daquilo que ingere!
Beijuuss Litle Angel UAUUUUUUU

Bloguinho da Zizi disse...

Angela
Não é fácil resistir, mas tudo é escolha, então.... a dita da consciência tem que agir.
Todo mundo deveria assistir a uma limpeza na caixa de gordura. rsrsrs

beijinhos

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Todos podemos fazer alguma coisa pela nossa saúde e uma muito importante é a selecção dos alimentos e a sua confecção.
Evitar não só as batatas fritas mas todos os fritos. Comer muitas saladas cruas - alface, tomate, pepino.

Moderar o sal e usar apenas o sal marinho. Tantas coisas.

Beijinhos e votos de um bom domingo

Cristina disse...

Você é muito criativa, sabe cozinhar e agradeço suas dicas, me deu até água na boca...realmente precisamos mudar nossa alimentação, nem sempre é fácil, mas temos que fazer uma forcinha não é? Nosso corpo agradece!!! Bjssss