terça-feira, 31 de julho de 2012

Sementes de Chia: novidades e pesquisa

Quem gosta, alimenta. Seja do que for: comida, afeto, amor, cuidado, colaboração e o que mais houver. É o caso de alguns seguidores do meu blog, que, entusiasmados e definitivamente fisgados pela ideia da alimentação saudável e funcional, me enviam as novidades a que têm acesso. Foi o que fez a Marina da Silva, do blog http://marinadasilva.blogspot.com Por sinal, excelente espaço para quem quiser se atualizar sobre política, através de postagens críticas, fundamentadas e bem-humoradas. Ela recebeu de um amigo, também meu seguidor, o José Zockner, informações sobre as sementes de chia.
Pois é. Quem me conhece sabe que não me rendo a alimentos que entram na moda de repente, sem pesquisa que sustente. Ui, uma rima! Aí, fui atrás de material acadêmico sobre o assunto e o que achei vale a pena ser publicado. É um estudo conduzido na Universidade do Vale do Itajaí, que repasso a seguir, copiado e colado.


23.07 Pesquisadores da Univali comprovam benefícios da semente de Chia PDF Imprimir E-mail
Semente aumenta sensação de saciedade e acelera atividade intestinal

A Chia (Salvia hispanica) foi consumida por séculos como alimento básico pelos habitantes da América Central e México. As sementes pequenas escuras, brancas ou acinzentadas, que facilmente são encontradas em lojas de produtos naturais, estão ganhando fama nas dietas de emagrecimento, como um alimento rico em proteínas, vitaminas, minerais, ômega 3 e fibras, com alto poder de saciedade. Interessados em conhecer as propriedades desse alimento e ampliar as pesquisas sobre o tema, acadêmicos do 6º período do curso de Nutrição da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), coordenados pela professora Sandra Soares Melo, doutora em Ciência dos Alimentos, realizaram um estudo para comparar e analisar os efeitos das sementes de Chia e dos flocos de Quinoa.

chia_e_quinoa

Os alimentos escolhidos para análise foram destacados devido ao alto conteúdo de proteínas, considerado similar aos encontrados na carne e maior do que o das fontes tradicionais como: milho, aveia, cevada e arroz. Entre os dois pseudocereais, a Chia demonstrou os resultados mais expressivos.

A pesquisa foi realizada com ratos adultos, da linhagem Wistar, pelo período de seis semanas. Os animais foram alimentados diariamente com porções de Chia crua ou com flocos de Quinoa, equivalente a duas colheres de sopa na alimentação de humanos. Os resultados com a Chia indicaram que, em função da sensação de saciedade houve diminuição de 20% do consumo alimentar. Também foi constatado melhor funcionamento do fígado e equilíbrio das taxas de colesterol, com diminuição de 11% do colesterol ruim, redução de 74% de triglicerídeos, e aumento de 10% do colesterol bom.


ratos_e_chia

Outro benefício percebido no consumo da Chia foi aumento de 150% de excreção fecal, mostrando que esse alimento pode ser uma alternativa no tratamento de pessoas que sofrem de intestino preso. “Os resultados foram surpreendentes. Além de acelerar o metabolismo, a Chia faz uma varredura no intestino levando o excesso de açúcar e a gordura que são prejudiciais ao organismo”, explica Sandra Soares Melo.

Na pesquisa, os ratos receberam uma dieta hipercalórica, rica em gorduras (amendoim, chocolate hidrogenado e bolacha maisena), que simulou a alimentação a base de fast foods. A sensação de saciedade ocorre porque em contato com a água a Chia aumenta de volume e ganha a consistência de gel. Os pesquisadores controlaram os dados de peso corporal, consumo alimentar, ingestão hídrica e excreções urinária e fecal. Não foi percebida nenhuma alteração hepática ou reação adversa. O estudo teve a colaboração da professora Luciane Coutinho de Azevedo , doutora em Neurociências, e a participação do técnico de Laboratório de Nutrição Experimental (Lanex), Bruno Gern.

Segundo Sandra Melo, incluir a Chia na alimentação é muito fácil, já que ela não tem sabor. A nutricionista aconselha o consumo diário de duas colheres de Chia, que podem ser misturadas em salada de frutas, iogurte e sopas. Além de auxiliar na redução do consumo alimentar, a semente enriquecerá a alimentação com uma porção a mais de proteína, minerais, vitaminas e fibras.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Univali - Campus Itajaí

Fiquei com muita vontade de conferir. O que vier a descobrir, postarei aqui. Beijocas.

5 comentários:

Regina Rozenbaum disse...

Vi as sementinhas nas mesas das irmãs. Provei e perguntei pra que serviam. Faz bem, respondeu ambas!kkkkkk Vou falar pra elas virem visitar sua cozinha...se bem que não são usuárias dessas "modernidades". Levo as informações prelas.
Beijuuss, iluminadamada, n.a.
P.S: essas letras (e agora números tb!) ainda darão cabo da minha paciência robótica! rsrsrs

Cancer de Mama Mulher de Peito disse...

Faço uso a um bom tempinho, e pelo bom resultado dos meus últimos exames, dou crédito também a Chia, essa melhora.
A contra indicação está no preço da marvada.
Mas é melhor gastar com ela do que na farmácia, é o que diz o ditado.
Bjs.
Wilma
www.cancerdemamamulherdepeito@blogspot.com

Marina da Silva disse...

Ângela,
Ainda não comecei com a Chia, mas recebi conselho por causa do teor de cálcio. Tenho osteosporose na coluna e fêmur D e preciso, além da medicação, 1500 gramas de cálcio diário. Parabéns pela pesquisa. Só uma dúvida: colocamos a chia na água antes de consumir? Abraço. Marina

José Luiz Foureaux de Souza Júnior disse...

Tomei vergonha na cara e voltei a buscar seu blogue! Delícia a mudança... ficou uma... "delícia"! Tô rosamariamortinha de inveja da criatividade da minha amiga querida! Até o detalhe o moranguinho como ponteiro do mouse é de uma "chiqueza" que nem sei!!!
Evoé!
beijinho

Guma Kimbanda disse...

Não sei se as encontrarei por aqui à venda disponíveis, mas valeu e vou procurar saber mais.
Beijo e kandandos com os votos de um excelente fim de semana para ti e para os teus ANGELa