quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Light & Diet: a relax off kitchen

"No dia em que as panelas da cozinha forem tão sagradas quanto os vasos dos altares, o sagrado estará na Terra e em cada gesto do cotidiano". (Tereza D'Ávila, mística católica)


Confesso: não sou uma internauta voraz. Tenho uma rotina, digamos, um tanto agitada. Meus mais íntimos que o digam. Gosto do cyberespaço na medida em que me oferece a oportunidade, como neste blog, de compartilhar boas idéias com as pessoas. Gosto também de poder falar com meus amigos que vivem em lugares distantes, vendo seus rostos tão queridos. E temos de convir que é um fonte democrática de informação, na qual se encontra de quase tudo.

Entretanto, fico alguns períodos sem acessar e mesmo sem postar aqui. É quando vou morar no sítio - por quinze, vinte dias -, de onde fico sem contato com 'a grande teia'.

Lá degusto outros prazeres. Planto minha horta orgânica com um composto fertilizante que meu marido prepara com restos da cozinha, esterco das nossas caipiras, gravetos, folhas secas, terra e água de mina. Até as sementes são livres de agrotóxico. Levo a sério esse negócio de saúde! Mexo e remexo no jardim, onde tem sempre alguma coisa nova crescendo. Trabalho com as mãos e a cabeça, costurando, fazendo tricô, colorindo mandalas. Vejo filmes. Mas, sobretudo, leio, leio muito. Pesquiso - sempre! - sobre alimentos funcionais, curto poesia, espiritualidade, história e 'o que cair na rede', mesmo que não seja peixe.

É também neste pedacinho de terra que tenho o que chamo de minha 'estação experimental', meu laboratório: uma cozinha espaçosa, clara, arejada, cheia de utensílios bacanas, na qual pratico o que pesquiso. É de lá que saem algumas notícias da cozinha.

Porém, há dias, como hoje, em que dá uma preguiça... O calor tem sua parte de responsabilidade: acender o fogo é quase um sacrifício... Aí, até as panelas descansam. E saem receitinhas espertíssimas, completas do ponto de vista nutricional, mas que dão pouco trabalho. Como esta que dou de presente para você agora.

SALADA DE BROTO DE FEIJÃO
Ingredientes para 6 porções:
1 pacote de broto de feijão moyashi
1 xícara (chá) de cenoura cortada em tiras
1 xícara (chá) de pimentão vermelho cortado em tiras
3 colheres (sopa) de cheiro-verde picado (p.ex. salsa, cebolinha e hortelã)
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 colher (sobremesa) de shoyu
Tempo de preparo: 15 min
Calorias por porção: 43 kcal

Modo de fazer:
Lave os brotos de feijão e escorra-os. Escalde-os, mergulhando-os em 2 xícaras de água fervente e, em seguida, em água fria (procedimento chamado de branqueamento) e escorra-os novamente.
Quando estiverem secos, passe-os para uma saladeira. Acrescente a cenoura e o pimentão. Em uma tigela pequena, misture o azeite e o shoyu, batendo com um garfo. Espalhe sobre a salada. Cubra com o cheiro-verde. Com dois garfos, ou um kit de colheres para salada, misture delicadamente os brotos de feijão, para integrar bem o tempero
Variação: Substitua o cheiro-verde por orégano e o shoyu por vinagre balsâmico.
Para acrescentar carboidrato(= energia), espalhe por cima os croutons de pão integral passado em alho cru esmagado, que já sugeri em outro post.
Veja bem: temos aí um alimento que cresce debaixo da terra, outros que crescem em cima da terra, um fruto, uma leguminosa, muita cor e temperos saudáveis Para que mais? Talvez um suco bem gostoso, para refrescar.

Estou dando um tempinho para que você assimile a grande quantidade de informações contidas nos posts anteriores e então virei com as ervas. Até mais.

4 comentários:

Regina Rozenbaum disse...

Ângela Amada
Que delícia de receita, que maravilha de sítio vc deve ter!!! Eu tô chegando de um santuário mais ou menos assim...da Fazenda de dois amados, em São Brás do Suaçuí: prosa na cozinha, horta, pomar, cavalos, bois, cães,galinhas, pássaros, céu estrelado, quitandas... tudo muito bem temperado com a energia mais que perfeita do PAI! Aqui, já pensou em "produzir" um livro com suas receitas, pesquisas???
Beijuuss n.c.

www.toforatodentro.blogspot.com

Angela Fonseca disse...

Oi, Rê, tudo bem? Meu sítio não é tão grande, mas tem o tamanho ideal para me trazer toda essa felicidade. Coisas boas sempre acontecem lá. Quanto ao livro, quem sabe um dia? No momento, vou postanto no blog, que é bem democrático, e uma mídia mais leve, ao alcance de todos. Obrigada pelo incentivo, sempre. Pergunta: você é parente de Nathan, o arquiteto? Muitos beijos

José Luiz Foureaux de Souza Júnior disse...

Olha que a idéia da Regina sobre o livro não é nem um pouco desinteressante: promete! Adorei a receita e vou experimentar, mas quando voltar. Procurar coisas mais peculiares aqui, com essa língua feia que esse povo fala, não dá: ai que preguiça!
Mais uma vez, adorei!
beijinho

PS: fico todo orgulhoso por saber que já sou frequentador de seu "santuário"!!!

Angela Fonseca disse...

Você tem um quarto só seu lá, até o Eric fala dele como "o quarto do ZéLu". Em breve você estará de volta, longe de tudo isso que lhe causa tanta preguiça.
Com tanto incentivo de vocês, vou longe... Tô com a cabeça fervilhando! Bjs 1000