domingo, 4 de abril de 2010

O tempero da vida

(imagem do google)
Amigos temperam a vida. Não tenho muitos, mas o suficiente: os que tenho me bastam e fazem saborosa minha jornada planetária.
Tem o Pedro, com quem venho tocando o barco há exatos 34 anos. O mar nem sempre esteve calmo, mas nunca desistimos de navegar juntos. E tem o Eric, bendito fruto de meu ventre, tão amoroso e divertido, com quem aprendi paciência e amor incondicional.
Tem a Consolação, xamã da tradição havaiana dos Kahuna, que vejo menos do que gostaria, em razão de nossas agendas(=rotina) sempre cheias, mas com quem falo muito ao telefone todos os dias, e troco experiências e vivências espirituais, junto com receitas e outras coisas de mulher. Ela me alimenta.
Tem o José Luiz, meu amigo professor de literatura portuguesa, de quem muito me orgulho e com quem tenho a intimidade necessária para trocar até os mais resguardados segredos. Ele me ama tanto que trouxe junto a sua família, a quem amo muito também. Tenho por ele um carinho e uma identificação com o feminino de sua alma.
Tem a minha irmã, Eliane, com quem sempre dividi espaço e amor dos pais. É minha afilhada, ou seja, como uma filha para mim. Já brigamos muito como acontece com os irmãos, mas sempre cultivamos um sentimento de proteção uma com a outra.
Tem a Inês, minha dentista, mas, antes de qualquer outra coisa, uma pessoinha delicada e gentil, amorosa, que encontrei numa das clínicas onde levávamos nossos filhos a se tratar. Temos em comum o gosto pela cozinha e a saúde.
Tem os meus amigos da fraternidade espírita que frequento, com quem estudo e vou aprendendo as lições necessárias para praticar o amor ao Criador e a todas as suas criaturas. Levo muito a sério essa troca.
Tem a Zilda, que trabalha comigo no sítio e cuida de tudo para mim quando não estou lá. Considera-me como mãe e tem sempre um sorriso contagiante, mesmo nos momentos mais complicados.
Tem o Edson, meu primo, com quem tenho uma afinidade de alma como se fosse um irmão. Nossa família, pelo lado do meu pai, não conviveu muito, por causa das idiossincrasias entre si, mas nossa amizade sobreviveu a essa mazelas.
Tem os amigos virtuais, com quem compartilho alegrias, preocupações, risadas e conhecimento. Alguns já conhecia antes de iniciarmos nosso contato no cyberespaço - mudaram-se, têm muitas atividades e difícilmente nos vemos. Outros vão chegando, de mansinho a princípio, e depois se tornam tão íntimos como se tivéssemos convivido a vida toda.
E tem ainda aqueles que não se acham mais neste mundo, mas continuam comigo, na minha memória e junto ao meu espírito: minha mãe, a Patty, tantos outros.
A lista não obedeceu a qualquer hierarquia, porque preparei um mesmo cantinho luminoso, bem cuidado e cheio de amor para eles no meu coração.
É para eles a minha homenagem nesta Páscoa, por tornarem a minha passagem pela vida uma aventura prazerosa e cheia de luz!
Beijos, meus amigos, e muitas bênçãos. Vocês merecem.

2 comentários:

Regina Rozenbaum disse...

Ângela, amada!
Que homenagem linda e delicada!!! Ando tão emotiva (mais do que já sou)que as lágrimas correram livres...Me lembrei das orações que fizemos, ao redor da mesa, antes de sairmos da fazenda, agradecendo por todas as bençãos que recebemos diariamente, pelos amigos presentes e ausentes, pelos irmãos já desencarnados que nos guiam e iluminam, enfim por todas as GRAÇAS que recebemos!!! Eu me incluo nessa lista sua...não são tantos, mas são alguns que, inexplicavelmente, cruzam nossos caminhos e fazem parte dele como se houvesse anos e anos...E realmente há! Você é uma delas...Escrevi tb para o Zé Luiz esse mesmo sentimento: como se já nos conhecêssemos de outras vidas! Precisamos só sair da "telinha" virtual e irmos para o real...Já visualizei esse encontro muiiiitas e muiiiiitas vezes... UMA BENÇÃO MESSSMO!
Beijuuss recheados do meu AMOR no seu coração.

www.toforatodentro.blogspot.com

José Luiz Foureaux de Souza Júnior disse...

Emocionado, copiei e colei suas palavras sobre "o degas aqui": "Tem o José Luiz, meu amigo professor de literatura portuguesa, de quem muito me orgulho e com quem tenho a intimidade necessária para trocar até os mais resguardados segredos. Ele me ama tanto que trouxe junto a sua família, a quem amo muito também. Tenho por ele um carinho e uma identificação com o feminino de sua alma." Nào vou tirar nada. Nào vou escrever mais nada. Você fez a síntese que diz tudo.
QU ebomq ue você existe!
beijinho