quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Reverdescendo: a vida depois do câncer

(imagem do google)

Antes de começar a postar fui conferir o verbo do título no meu dicionário eletrônico Houaiss. Gostei do que encontrei. Vejam só:

Reverdescer:
1. tornar verde (a vegetação); cobrir-se de verde;
2. dar nova força ou vigor (a); rejuvenescer (-se), revitalizar (-se);
3. tomar ou ganhar novo impulso, nova força; renascer.
Conclusão: escolhi o verbo certo!
Vem chegando um novo ano e alguns de meus seguidores e amigos queridos, que tiveram câncer em 2010, vão entrar em 2011 com todas, ou quase todas, as etapas de tratamento cumpridas, de acordo com o protocolo.

Ninguém sai deste processo como entrou. Muda-se valores, reve-se atitudes cristalizadas - e insensatas!-, adquiridas ao longo da existência, passa-se a dar atenção ao que realmente vale a pena, começa-se a amar e a cuidar melhor de si mesmo. É praticamente inevitável.

Esta é a hora de fazer planos e propósitos: retomar a vida depois da doença. Na minha opinião, é óbvio que isso passa também por mudança de hábitos. E um deles é a alimentação.

Alguns desses amigos e seguidores vivem em casas, em cidades pequenas. Outros, em apartamentos em cidades um pouco maiores. Porém, em todos os casos, é possível fazer uma horta. Comer verduras cruas, livres de agrotóxicos e outros aditivos é um privilégio disponível a todos que o desejarem. E um carinho novo e sadio com o corpo.

Reproduzo aqui um artigo que li na Revista Viva Saúde no. 79, da Editora Escala.

HORTAS URBANAS: A NOVA MODA VERDE

Ouve-se falar em preservação da natureza e sustentabilidade. O que você pode fazer para conviver em harmonia com o meio ambiente, preservando os recursos naturais disponíveis? Para encontrar essa resposta, o Clube Esperia, em São Paulo, realizou em setembro deste ano o evento Vivendo Sustentável, que reuniu ONGs, empresas e personalidades com programas ambientais comprovadamente eficientes. Um dos mais procurados pelo público foi a horta urbana, um hábito muito utilizado no passado, quando todos tinham espaço em suas casas e plantavam produtos orgânicos. Segundo o engenheiro agrônomo Roberto Gouveia, a horta pode ser feita em qualquer lugar. Desde um vaso ou uma floreira, basta decidir o que será cultivado e procurar um espaço adequado para o desenvolvimento. Gouveia afirma também que a prática garante vantagens econômicas, além de contribuir para um planeta mais limpo e saudável. Disposto a fazer parte dessa iniciativa? Então saiba mais sobre os benefícios da horta urbana lendo a cartilha ilustrada pelo cartunista Ziraldo, criada pelo Ministério da Agricultura. Acesse:

Agora entro com a minha experiência: todos já sabem que tenho um cantinho fora de BH onde cultivo uma horta com entusiasmo e amor. Tenho sucesso com algumas hortaliças, verduras e tubérculos. Não estou ganhando qualquer coisa para fazer propaganda das sementes que uso. Apenas as recomendo por serem livres do agrotóximo sistêmico que vem em outras marcas. Uso sementes Isla, livres de defensivos agrícolas, e planto alfaces, rúculas, abobrinhas, pimentões, cenouras, beterrabas e cebolas. Já tentei outras espécies, mas talvez o solo e o clima não sejam ideais para elas. Na porta da minha cozinha mantenho vasos onde planto, também a partir de sementes, salsa, sálvia, manjericão verde e roxo, alecrim, tomilho, orégano, pimentas, além de cebolinha verde a partir de pequenos tufos que vou replantando. Só isso já é uma bênção e, além do amor, uso água e terra adubada com esterco de animais e um composto que nós mesmo preparamos. Para quem não puder fazer composto em casa, há produtos orgânicos com que adubar o solo. Basta ir a uma casa especializada e pedir a ajuda do agrônomo de plantão.

Que tal iniciar um novo ano com uma atividade nova? Fazer uma horta, aventurar-se na cozinha, fazer um trabalho voluntário? A vida continua e reverdesce a cada dia.

Beijos mil.

5 comentários:

Regina Rozenbaum disse...

Angelinha, iluminada, amada!
Ah como gosto desse verbo...ah como venho tentando aprender com ele e através dele. Apropriadíssimo para um final de ano. Meu manjericão roxo e sálvia estão lindos (acho até que vou fotografá-los)naquele cantinho que vc bem conhece e que de adubo só mesmo o amor e o astro-rei! Quando vi o título, vim correndo e rindo... mais um gosto em comum!!! Dê só uma espiada AQUI
Beijuuss iluminados e reverdescentes

Cancer de Mama Mulher de Peito disse...

Muito apropriado o tema.
Em tudo na nossa vida é assim; sementeira livre e a colheita obrigatória, se não a perdemos.
E como não queremos perder vida, vamos renascendo, ganhando novo impulso.
Que venha 2011.
Bjs.
wilma
www.cancerdemamamulherdepeito@blogspot.com

Kimbanda disse...

Querida ANGELa,

Escreves e muito bem que esta é a altura para tudo rever e ganhar novas energias. Que esse balanço e projectos para 2011 se prolonguem por muitos e longos anos, pois uma alimentação saudável, tuas dicas e força que transmites são um contributo com muito valor. Aproveitemos pois...
Vim também com o bater daquela saudadinha que dá quando não estamos há algum tempo na companhia dos que estão no nosso coração naquele cantinho muito especial e desejar-te e aos teus, muitas alegrias e tranquilidade.

Beijo e kandandos meus.

Drica disse...

MUITO OBRIGADA PELAS PALAVRAS DE CONFORTO!!!
UM FORTE ABRAÇO!!!!
FELIZ 2011!!!!!!!!!!
BJS.

Angela Fonseca disse...

Queridos amigos, obrigada pelo incentivo de sempre, pelo carinho e pelos votos.
Rê querida, vamos reverdescendo um pouquinho cada dia, cuidando com carinho de nós mesmos e dos que nos são caros.
Muito bem lembrada a sementeira e a colheita, Wilminha do coração. Se vamos colher e não queremos perder, vamos palantando coisas boas, certo?
Kimbanda poeta, adorei o destaque ANGEL das letras maiúsculas. Seus olhos generosos me vêem assim e eu espero correspondê-lo, trazendo sempre boas novas, já que 'angelus' quer dizer 'mensageiro'.
A vocês que estão sempre passando pela minha cozinha, meu amor e meu desejo de paz, alegria, saúde, prosperidade! Beijos, beijos, beijos,beijos.............